15 de abr de 2010

Dicionário para new uberlandinos

Quando vim morar nessas bandas, chamou-me atenção o jeito de falar do povo daqui. Nem tanto o sotaque, afinal Franca faz quase divisa com Minas Gerais e temos todos um pezinho por aqui, por parte de pai, de mãe ou dos dois.
Mas havia algo nas expressões que fui aprendendo aos poucos. Acho que, depois de mais de 15 anos, uso algumas sem nem perceber, como um hábito gostoso que foi pegando que nem bicho de pé. Aquela coceirinha chata mas gostosinha...
Para quem está chegando agora, neo uberlandinos de plantão, algumas traduções para ajudá-los a se integrarem aos habitantes locais. A integração, aliás, é tema para outra postagem...
Agradeço contribuições, mas lembrem-se, a idéia é ser divertido, não pejorativo! Afinal, eu adoro essa terra fértil.

Dicionário de expressões idiomáticas

Ah neeeeeeemmmmmmmmmmmmmmm........ Normalmente é dita de forma bem cantada, como se a gente quisesse esticar as letras entre Uberlândia e Araguari. Pelo que consegui entender ao longo de todos esses anos, é uma expressão curinga, que pode ser usada para quase tudo. Encontrou um amigo no shopping, daqueles que não vê faz tempo... pode usar. Viu um ex namorado meio chatinho no London, quando estava na maior paquera com um novo pretendente... pode usar. É a curinga das expressões locais.

Meninu custoso: essa é usada para falar de crianças felizes, alegres e arteiras. Aplica-se também a crianças super ativas, que parecem ligados no 220. Só não consegui ainda definir se a conotação da expressão é um elogio ou uma crítica. Acho que depende da entonação e de quem fala. As mães usam querendo dizer que a criança dá trabalho. As avós dizendo que têm energia de sobra. Isso serve para a infância. Na adolescência, ser custoso ganha novas configurações, que ainda estou tentando entender.

Não dou conta: significa que a pessoa não consegue fazer alguma coisa ou não consegue lidar com alguma situação. Pode ser usada como desculpa para tudo. Uma delícia de expressão. Pode usar sem medo, é diferente de ser incompetente. Não dar conta envolve a humildade de admitir que certas coisas são demais para você. Cuidado apenas para usar na hora certa, com a pessoa certa. Não dar conta em algums momentos pode ser fatal!

Isturdia: essa é velha e caiu em desuso, mas quando mudei para cá, juro que ouvia. Quer dizer em um outro dia, ou seja, de ontem para trás. Difícil entender? Vamos tentar em uma frase: Isturdia, encontrei com o meninu custoso no bar da esquina. Ah neeeemmmmmmmmmmmmmmmm... Não dou conta daquela criatura!

4 comentários:

Naty Iasmin disse...

Adorei!!!!

Ainon disse...

HAHHAhahahha

Dri, eu adoreeei! A gente fala assim mesmo, eu como Uberlandense nato, admito ser bem verdade!

=D

Maurity Cazarotti disse...

Aqui no Berlândia é assim mesmo que se fala!
Gostei e me vejo falando isso toda hora, é um trêm de doido!

Muri disse...

Olha, eu tenho explicar para minhas amigas cariocas o que é custoso, ah nem e elas nunca entendem... agora já sei, vou copiar e colar... rsrsrs