10 de nov de 2011

Eleições: 2012 cada vez mais perto

Fonte: www.campanhaeleitoral2012.com.br
Os jornais já falam com mais frequência no processo eleitoral. Em 2012 teremos renovação nas prefeituras e câmaras municipais. E vale a pena refletir, desde agora, a respeito de quem queremos ver nos representando nos poderes executivo e legislativo. Particularmente, admiro muito a atual administração, embora tenha inúmeras críticas, em especial ao legislativo.
Como o atual prefeito não pode se candidatar de novo, deve indicar um nome forte. Tomara que seja, antes de mais nada, um nome idôneo.
Eleger nossos governantes é algo que exige grande responsabilidade. Afinal, durante quatro anos essas pessoas tomarão decisões sobre nossa vida na cidade. Elas irão direcionar recursos, aprovar leis, mudar serviços, fazer investimentos, cortar orçamento. Vão gerar empregos, orientar nosso trânsito, criar vagas em hospitais (ou não...).

Desde que resolvi virar uma uberlandina, transferi meu título para a cidade. Voto aqui há mais de dez anos. E já vi de tudo um pouco. Uberlândia tem o privilégio de contar com bons prefeitos, que ajudam a cidade a seguir em frente. O que muda é a velocidade. Alguns andam muito devagar. Outros aceleram o crescimento.
Já na Câmara de Vereadores, acho que nunca vi comportamentos similares aos da atual legislatura. Brigas, boletins de ocorrência, disputas de poder, gente despreparada... A imprensa local nos relata quase que semanalmente as brigas entre os vereadores, algumas por motivos pífios...

É... as eleições batem à nossa porta. Eu defini para mim mesma alguns critérios:

1) Não voto em candidatos que tenham qualquer pendência com a lei, seja de que natureza for. Dizia minha velha avó: quem rouba tostão, rouba milhão. Quem desrespeita qualquer lei, por menor que seja, um dia vai desconsiderar a constituição;

2) Não voto em candidato que faz barulho no meu bairro, por meio dos tenebrosos carros de som. Nem em político que suja a cidade com seus santinhos. Já mudei de idéia a caminho da seção eleitoral, devido ao excesso de lixo que o candidato em quem eu votaria desovou pela cidade;

3) Não voto em candidato que não tem formação acadêmica nem histórico profissional dentro e fora da vida pública. Se eles se propõem a fazer e a executar leis, precisam ter um curso superior, precisam valorizar a educação e investir em projetos nessa área;

4) Não voto em ninguém para ajudar, nem voto em um candidato só porque ele está ganhando e não quero "perder voto". Perdemos voto quando o político que elegemos comete fraudes, rouba, mente. Aí sim...

5) Não voto em políticos que criam cabides de emprego, nem que sejam mal educados com as pessoas fora do contexto profissional. Quem é grosso com um cidadão, seja em que situação for, não gosta de gente. Político precisa gostar de se relacionar. Ser político é uma profissão, que tem prós e contras.

Tem outros fatores que eu poderia citar, mas esses são alguns dos principais. As eleições batem na porta. Espero, verdadeiramente, que tenhamos candidatos melhores.

Nenhum comentário: