30 de out de 2011

A história do Escritório das Letras

Palavras.
É com elas que ganho a vida. Desde cedo começaram a fazer parte de minha história. Aliás, foram justamente as estórias que me fizeram ver que palavras têm vida. Mesmo antes de aprender a ler e escrever, ouvia atenta às histórias que meu pai inventava, ou àquelas dos disquinhos infantis, que contavam de um mundo de faz de conta. Não havia imagens, apenas palavras faladas. E elas eram capazes de me transportar para outros mundos.
A leitura, depois que fui alfabetizada, passou a fazer parte de meu universo. Cresci em uma casa cheia de livros, revistas, gibis. Fui educada por um contador de estórias, que deixava a imaginação correr solta pelas casas da minha infância.
Adolescente, encontrei nos livros e na produção de textos o consolo para o deslocamento que todo adolescente vivencia. Em Fernando Pessoa, Victor Hugo, Caio Fernando Abreu, Shakespeare, Sidney Sheldon, Carlos Drummond de Andrade, Vinícius de Moraes, entre tantos outros, encontrei palavras que se transformavam em imagens. E que transformaram minha vida.
Já na faculdade, a leitura tomou outro corpo. A elaboração de textos também. Escolhi o jornalismo por acreditar que poderia fazer diferença na vida de alguém. Que poderia usar o dom da comunicação para fazer algo bom para a sociedade. Na verdade, até hoje me questiono se consegui atingir esse objetivo.
Na vida adulta, a literatura misturou-se à leitura de obras clássicas no campo teórico da comunicação, das Relações Públicas e da Administração. Diferentes autores contribuíram para moldar a maneira como entendo os diferentes temas de meu mundo profissional.
Ler nos ajuda a formar uma visão de mundo. Contribui para a consolidação dos nossos valores e crenças. Desenvolve o vocabulário. Estimula o pensamento criativo. Quem lê normalmente tem facilidade para escrever, para expressar suas ideias de maneira clara, para argumentar com base em fatos.
As palavras nos acompanham ao longo de nossa vida. Seja quando lemos, escrevemos, ouvimos, falamos, vemos um filme, passamos por um anúncio. Elas criam imagens. Nos levam para Passárgada ou para Verona. Nos transportam para o futuro, nos colocam em palácios de séculos atrás.
É justamente pela importância que as palavras têm em minha vida que resolvi, recentemente, investir em um projeto antigo. Acabo de criar o Escritório das Letras Comunicação. Uma pequena empresa onde o principal insumo são as palavras, que se juntam para formar discursos corporativos. Por meio desse trabalho, quero exercitar uma das atividades que mais me dá prazer na vida: a escrita.
Começo sem pretensões, com alguns clientes antigos, outros novos. Sei que desafios virão, mas acredito na força das palavras, que sempre me acompanharam. Velhas conhecidas, amigas de infância, agora também companheiras de trabalho.
Energias positivas para o sucesso do Escritório das Letras, ao lado de meu sócio, sobrinho e vizinho Eduardo Zenon.

3 comentários:

Anônimo disse...

Muito sucesso pra você nesse novo desafio!
Rochel

Anônimo disse...

Parabéns! Desejo sucesso e prosperidade no novo negócio!
Muriel

Anônimo disse...

Sucesso!!! Bjs. Mirna Tonus