1 de jul de 2010

Os bichos de estimação merecem respeito

Tem gente que adora bicho. Gosta tanto que cuida com amor e respeito.
Tem gente que tolera bicho. Acaba tendo em casa por causa das crianças, da esposa ou só para ter um animal de guarda.
Tem gente que não suporta bicho mas acha bonitinho ter um cachorrinho de madame. E compra o mais caro da loja para exibir para os amigos.
Tem gente que acha que bicho é brinquedo. Dá de presente como se ele fosse uma boneca de pano.
Tem gente que quer salvar os bichos. De vez em quando baixa um São Francisco de Assis e essa pessoa dedica todo o amor do mundo para abrigar e cuidar dos bichos. Dentro do que estiver ao seu alcance.
Tem gente que judia de bicho. Que cria bicho para atacar. Que maltrata bicho. Bem, esse típo de gente é melhor nem comentar.
Tem gente esquece que bicho é um ser vivo, que precisa de comida, de exercício, de disciplina, de carinho.
Tem gente que abandona bicho, que perde bicho, que deixa bicho sozinho para ele se virar na cidade. E se esquece que bicho, uma vez domesticado, não lembra como era viver na natureza. Aliás, nunca viveu. Bicho da cidade anda de carro e até de avião.
Em Uberlândia, ultimamente, um grupo de pessoas que adoram bichos tem ficado assustado com a quantidade de cães e gatos que estão sendo abandonados pela cidade, perdidos ou jogados fora mesmo. No portal Clube do Pet (http://www.clubedopet.com.br/) , anúncios e mais anúncios de animais perdidos, em especial cachorros. Pessoas que gostam de cães recolhem os que parecem ter donos em casa e tentam achar o dono pelo twitter ou espalhando cartazes. Tenho uma amiga que tem 54 gatos em casa, muitos deles recolhidos no entorno da empresa Algar Tecnologia, um dos pontos onde as pessoas abandonam animais.
A APA, o Clube do Pet e o pet shop Bichos e Caprichos tem feito de tudo para cuidar dos animais abandonados, com programas de incentivo à castração, campanhas de conscientização sobre posse responsável e até mesmo se comprometendo a cuidar dos bichos machucados que são encontrados nas ruas.
Mas assusta e causa espando a quantidade de pessoas que perdem seus bichos por puro descuido. Um portão aberto, uma visita descuidada, um passeio sem coleira. O cachorro, em especial, nem sempre sabe voltar para casa sozinho. Tem criança que adoece quando perde o bichinho e pessoas que oferecem recompensa para quem encontrá-los. Mas o que se pergunta é: que tipo de pessoa deixa um bicho escapar e só percebe muito tempo depois, quando ele já sumiu? Que tipo de pessoa abandona um cachorrinho para morrer no Parque do Sabiá? Que tipo de pessoa compra um cachorro caríssimo para depois abandoná-lo por que vai mudar para um apartamento?
O bicho doméstico depende das pessoas. Uma vez assisti a um documentário falando que, se todos os homens desaparecessem da face da terra, muitos bichos morreriam de fome porque não saberiam nem sequer sair de casa para buscar comida e água. A responsabilidade é de quem resolve ter bicho. Posse responsável envolve muito mais que água, comida e teto. Envolve respeito, cuidado, saúde, vigia e muitas outras coisas. Quem perde um bicho provavelmente não fez a lição de casa direito.

Nenhum comentário: